terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Instantâneos

6 comentários:

C. disse...

O melhor é o som, de facto. Mas dá cá uns fornicoques, com tanto que há para fazer... e ficar ali especado, a ver o tempo, quer dizer, os segundos, OS SEGUNDOS!!!

Deixa-me cá ir trabalhar mais um pouco.

Beijinho, Ana Paula

José Marinho disse...

É isso, não fazer nada, por momentos; cada vez mais difícil. Excelente ideia, oportuna divulgação, face à nossa realidade urbana frenética. Abraço. José.

Ana Paula Sena disse...

Querida C.: é bem verdade! dá cá uns fornicoques :)) Como é possível dois minutos serem tão longos?! Vivemos psicologicamente acelerados. E é interessante observar em nós próprios os diferentes modos como experimemtamos o tempo.

...que foge!

Um beijinho de volta.

Ana Paula Sena disse...

Olá, Jota :) è verdade, mesmo quando nada temos a fazer (será possível?), logo inventamos outra coisa qualquer...

Gosto tanto dessa vida frenética que bem referes, como de conseguir parar e reduzir o ritmo até ao limite possível. Difícil, verdade?

Um abraço de volta!

partilha de silêncios disse...

E sabem tão bem estes momentos!!

beijinhos

Ana Paula Sena disse...

Sabem! Mesmo :)

Beijinhos de volta.