domingo, 21 de setembro de 2008

Asas de borboleta


Já lá vai o tempo em que julgava poder mudar o mundo. Quando tudo à volta parecia esperar apenas a vontade de melhorar, e de tudo aperfeiçoar. Então, era possível subir e, lá do alto, olhar à volta para avaliar positivamente a beleza e a dignidade do ser humano: a sua força, a sua energia, a sua vontade, e a sua capacidade para transformar o mundo. Face a essa posição elevada, e sentida como privilegiada, as coisas conseguiam reflectir-se numa "aura" algo romântica. Surgiam até como magníficas e gloriosas.

Sei hoje que o mundo muda pouco no que precisa de mudar. Mas também sei que, apesar de tudo, muda sempre alguma coisa. Não é estático. Mas é triste, cinzento e oportunista, vezes demasiadas. Selvático, desumano e decepcionante, outras tantas. Apesar disso, é também aquele mundo onde ainda podemos afirmar: "A vida é bela".
Agora, olhar à volta traz muitas vezes consigo uma outra avaliação, esta bem mais realista. Dirão alguns: desencantada (?). Afinal, o que é o desencanto? Um olhar crítico e imperturbável? Um olhar duro e incisivo, em detrimento de um qualquer escapismo fácil?
Alguns tópicos para o desencanto:
- As guerras, a fome e a injustiça social;
- A crise financeira, a falência do Lehman Brothers e a corrupção que existe um pouco por todo o mundo;
- As eleições norte-americanas; a esperança, quase última, de uma reconfiguração de poderes, para uma nova ordem mundial;
- A violência, o terrorismo e a insegurança dos cidadãos;
- A hipocrisia social;
- O crescente niilismo;
- As inúmeras vezes que os outros nos decepcionam e, pior do que isso, a própria decepção de si;
- A vontade de poder, em resultado da qual se trituram valores, princípios e solidariedades;
- E tantas coisas mais...

Às vezes, o que apetece mesmo é um grande grito de revolta!
Mas... enquanto continuar a chover (ainda que com alguma acidez); enquanto for possível descobrir, ali mesmo no meio do nada, um bater de asas de borboleta, continuo a acreditar. Porque é possível mudar. Embora muito pouco, embora lentamente... Embora seja muito mais difícil do que antes parecia ser. Porque também é um esforço árduo continuar a acreditar... acreditando.

Bullet With Butterfly Wings - Smashing Pumpkins

25 comentários:

Frioleiras disse...

E vou eu começar......

Catharsis é uma forma de purga, de limpeza....... talvez por isso consiga aqui ser sincera...

Admiro-te pela coragem de gostares de mudar o mundo (sente-se, ainda...).

Eu não acredito já neste mundo humano em que vivemos. um mundo que aliás foi sempre milhões de vezes mais de guerras do que de paz.

Jamais ele poderia mudar!
Só em idealismos e esses só existiam enquanto nós eramos muito jovens.

A falta de ideologias e de religiões (não tomo em consideração os extremismos), a globalização a industrialização e o consequente desemprego e aumento de idosos , tiraram há muito a qualidade de vida, trouxeram o cansaço e o desalento abolindo a esperança no que quer que fosse...


Esperança de tempos mais dignos, só houve em escassos momentos da história e, mesmo assim, essas bolsas eram de sabão volátil, prestes a rebentar a qualquer momento.

Resta-nos a música a arte , mesmo assim já completamente ao serviço da matéria e não do espirito....

Pela parte que me toca, vivo numa bonita bolha rosa com pintas douradas, bolha essa muito gratificante, que voa, voa mas...que sinto que rebentará a qualquer instante.

Neste entretanto vou voando e olhando ludicamente para o rosa e para as pintas douradas... egoismo absoluto, talvez mas também acho que para ajudar o próximo não é necessário correr mundos e olhar para outros continentes.

Egoista, sim mas reparo e tento no possível ajudar nas desgraças que batem a meu lado . E são muitas. Basta olharmos para a porta do vizinho, para conhecidos e amigos.

Há tanta gente doente, com medo, triste, só e velha à nossa beira ...
e precisam tanto de nós num mundo cada vez mais isolado e solitário...................

Violeta disse...

Paula
Adorei o teu texto. Está lindo e realista sem deixar de fora a esperança.
Acredito todos os dias que um bater de asas fará a diferença... mínima, mas fará e é desses suaves bateres de asas que vamos suportando viver.
Feliz domingo!

"Jamais se desespere no meio das sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda."

em azul disse...

Parece-me mesmo de desencantar...

e-ko disse...

as nuvens leva-as o vento, mas há cada vez mais nuvens e cada vez mas vento... até ficamos tontos com tanto bater de asas de borboletas!

levei uns peixinhos como os teus para ter a quem pregar!

RAA disse...

Não sei porquê, mas à medida que envelheço e os entusiasmos vão passando, vou ficando menos pessimista. Este seu texto touxe-me à memória a frase do Romain Rolland: «Sou pessimista com razão, mas optimista pela vontade.» Talvez os anos nos dêem uma perspectiva mais ampla; talvez este optimismo que estou a estranhar em mim seja consequência da leitura do seu belo post.
Boa semana!

Arion disse...

Deixas uma centelha acesa, sabias? Beijo!

SMA disse...

Acredito que estamos a bater no fundo... no mais fundo! Depois disso será sempre a subir...
.
.
.
mas eu ainda acredito no encantamento.
.
.
acredito na pessoa

bjo

pront'habitar disse...

pois, eu não acredito já em bateres de asa.
e o que nos resta?

ir para a frente...

partilha de silêncios disse...

Neste mundo onde escasseiam os lugares para falar dos nossos medos e angústias, poucos braços para nos refugiarmos, onde falta o espaço e o tempo para o encantamento, precisamos saber que agradecer aquilo que a vida nos dá, é uma expressão da alma.

Se não podemos modificar alguns dados fundamentais da vida, podemos sempre modificar a nossa maneira de lidar com eles. O importante é ter uma atitude de acolhimento da vida.

Aceitar serenamente os factos inevitáveis ou incontroláveis da vida permite-nos uma tranquilidade e uma energia que sempre nos ajudarão a lidar melhor com eles.

Ter saúde,trabalho, um lar, filhos saudáveis, é uma benção !

Precisamos também, de aprender a transformar pequenos acontecimentos numa fonte de energia.

Sim, Ana Paula, revejo-me no seu texto e é um facto que há coisas que não conseguimos mudar, mas devemos sempre lutar pelo encantamento da vida, acredito que isso não nos podem tirar .

um beijinho

ângela marques disse...

"Julgava poder mudar o mundo", ia eu muito contente ler o resto. Mas acabas falando em acreditar... E aí eu tive que andar para cima e para baixo a ler melhor. É que acreditar ou não acreditar, neste contexto, não me parece aplicável. Ninguém pode dizer que não acredita na mudança, porque ela é da natureza do mundo. Quero dizer, pode, claro, mas não está a ser rigoroso. Acreditar é do domínio das religiões e por isso também do foro de cada um. Quanto à evolução do mundo ela existe desde sempre: pode ou não satisfazer-nos, porque não acontece num movimento contínuo, mas sim de avanços e recuos, de guinadas à direita e à esquerda (sem conotações políticas), digamos melhor, um movimento dialéctico. Podemos e devemos conhecer bem o passado e sobre ele reflectir para tentar compreender o presente e encontrar a melhor forma de participar na construção do futuro, se é isso que nos move. Umas vezes são possíveis as participações em grandes movimentos gerais, outras vezes temos que contentar-nos em ajudar o vizinho da esquina, Ambas são válidas e importantes. Mas é difícil passar da 1º para a 2ª e é o que está a acontecer a quem apanhou ainda os ideais de mudança de meados do século XX.
Apesar da minha provecta idade, e de apreciar a tua tranquilidade e razoabilidade, mantenho a minha preferência vai para o "grito de revolta" ou para o "murro na mesa", nem que seja isolado. Mesmo quando tudo parece ir bem, prefiro repetir as palavras da Sophia de Mello Breyner: "Os papel dos poetas é estraem sempre do lado oposto ao poder". Não sendo eu poeta, sinto-me profundamente atraída por esse permanente descontentamento.
Obrigada, Ana Paula, como sempre, por me teres posto a pensar. Assim tento escapar do Alzheimer:))))

CNS disse...

Talvez acreditando consigamos mudar o universo que temos mais "à mão". Aquele que habita em nós e na nossa forma de encarar o mundo. Aquele que antecede à mudança do que habita lá fora, que insiste em nos ser estranho e inóspito.

um beijo

Druiel disse...

Esta fez-me lembrar uma tira da Mafaldinha, onde esta entra em pânico e diz "Depressa temos que mudar o mundo, antes que o mundo nos mude a nós"

Mudar o mundo, começa por mudar a nossa casa, a nossa rua, começa por aceitar que a vida é assim ... algo curiosa e testa-nos. Sempre.

Muitos beijinhos
Druiel

Mié disse...

Eu acredito, continuo a acreditar.

Acredito que o mundo somos nós em primeiro lugar. Se não tivermos o espírito de solidariedade, de entrega aos outros não conseguimos mudar nada.
Acredito que não temos de partir da premissa "mudar" mas de "dar", e o mundo de cada um é o seu campo de acção, os lugares onde se move.
E, é esse espírito de solidariedade de entrega aos outros, que falta nas sociedades modernas, nas politicas liberais, principalmente pelos detentores da riqueza, mas que atravessa toda a sociedade.

Se cada um fizer a sua parte, o mundo muda. temos de nos interrogar o que é que poderíamos fazer e não fazemos? Que envolvência temos nós com a sociedade a que pertencemos? Até que ponto estamos dispostos a dar a nos entregar?

Imaginem todos os professores de música do país, gastarem uma hora por semana do seu tempo a ensinar música a crianças sem acesso a ela?
...não, e não digam que ...tal, é preciso de um subsídio para isto, ou para aquilo...quando se acredita as coisas acontecem.

... acreditem que o futuro do país iria ser bem diferente.

Eu acredito e tenho uma missão a cumprir.

Não...não sou santa nem ando lá perto.

Um beijo

grande

daniel disse...

As desgraças do mundo recordam-me o livro de Voltaire: "Cândido ou o optimismo", em que diz: "Tout est pour le mieux dans le meilleur des mondes possibles" ("É tudo para o melhor no melhor dos mundos possíveis"). Ridicularizando as ideias do filósofo francês Gottfried Leibniz, que dizia não ser necessário ver os horrores do século XVIII.
No fim, após ver a desgraça do mundo, Cândido vai desacreditar todos os ensinamentos de Pangloss (baseado no filósofo Leibniz), e apenas afirma: "É necessário cultivar o nosso jardim".
O livro é excelente, leitura fácil e irónica. Parece que no final aprendemos que não podemos negar os desastres do mundo, e não vivemos no melhor dos mundos. Mas fica sempre bem um pouco de optimismo.


http://triunfodarte.blogspot.com/

Mié disse...

relativamente ao meu comentário anterior, faço uma adenda.

Não enveredei pelas grandes causas que a Ana Paula fez referência no post propositadamente.Todas elas são muitíssimo importantes e geradoras de mau estar e desencanto na humanidade. Penso que depois do muro ter sido derrubado, ficou um espaço vazio. E a ausência da luta pelos grandes ideais amornou-nos e cegou-nos.
A liberdade hoje é-nos retirada pelo capitalismo selvagem sob a capa da democracia em favor do grande propósito dos nossos tempos: a nova forma de escravatura, a escravatura económica sem qualquer respeito pelos direitos humanos.
E hoje deverá ser essa a nossa causa: a bandeira por uma economia mais justa acompanhada obrigatóriamente pela componente social e contra a economia neo-liberal em que o mundo mergulhou, geradora de desigualdades sociais e de Estados soberanos e em consequência geradora de todo o tipo de conflitos. Penso que é por aí, por essa bandeira que cada um tem de lutar para mudar alguma coisa. Cada um tem de começar a ajudar a mudar as mentalidades hoje para haver um futuro melhor. E querer solidariedade é fazê-la. Querer mudança é ajudar a mudar...à nossa volta, no nosso mundo.

E acredito que é possível hoje preparar o futuro.


desculpem se me alonguei demais
Beijos

Mié disse...

_____e

acredito que sim!!

cada um de nós tem asas de borboleta.



(isto hoje anda ás pinguinhas...sorry por tantos comentários)

Mais um beijo

e obrigada pelos temas tão interessantes e importantes que trazes. Só tu me pões a falar :))

Frioleiras disse...

mié,

gostei de te ler e gostaria de te dar razão. Não é pessismo, creio, porque sou bastante lúdica... mas acho que caímos num grande novelo que já não parará.

E eu falo do mundo em geral e não apenas na civilização do último século!

E ele já nasceu torto - por culpa do Homem...apenas.

Não não acredito que o Homem venha a ter uma vida mais digna. Nunca teve! Não passaram de ideologias ou meros e escassos momentos de pseudo-democracia!

Não tenhamos ilusões! O Homem nunca soube nem saberá viver em harmonia, em cumplicidade com os demais ou em democracia! Não sabe neme saberá nunca! A falta do útero da Mãe diexou-o sempre orfão, sem saber ser mmaduro e descarregando a torte e a direito a discórdia e a anarquia.
e acabou por destruir, completamente, a dignidade.


que tudo destroi em que toca ou opina...........

Ana Paula disse...

Frioleiras: sim, Catharsis é exactamente isso. Algo que me agrada: expurgar... :)
E é óptimo partilhar contigo momentos de sinceridade.

Também vivo na minha "bolhinha". Provavelmente, também eu não faço o suficiente para mudar o que está mal... Mas, é como dizes: por vezes, as oportunidades para mudar alguma coisa estão mesmo ao nosso lado, muito próximas. Nada nos impede de começarmos por aí, se quisermos.

Violeta: agradeço a tua simpatia e delicadeza. É excelente ter-te por aqui... :)

É reconfortante saber que partilhas desta ideia e deste sentimento de esperança.


Em azul: é verdade, se pensarmos muito nisto tudo, é difícil não sentirmos desencanto!

E-ko: é difícil escolher entre borboletas e peixinhos. Mas fiquei toda contente por levares um pequeno aquário para o teu espaço. Nada como um bom sermão aos peixes! :)

RAA: obrigada! :) Espero que a idade também me venha a trazer um acréscimo de optimismo...
Excelente e muito bem lembrada, a citação do Romain Rolland!

Arion: não vamos deixá-la apagar-se, certo? :)

Sma: também acredito ainda no encantamento, e na pessoa, tal como afirmas.
Bem (re) vinda! :)

Pront'habitar: sem dúvida! Para a frente é que é o caminho...
Bem-vindo(a)! :)

Partilha de silêncios: aprecio o espírito positivo e a serenidade que transmites. :)

Ângela: se eu te ponho a pensar, tu também!

Ora bem, claro que o mundo muda e mudará (para o bem ou para o mal), independentemente da minha existência, presença e intervenção.
A minha interrogação refere-se, antes de mais, ao meu papel nesse mundo, em particular. Porque se estamos nele, isso só pode alterar alguma coisa. Os dados que estão lançados incluem-me. Incluem-nos.

Para lá do movimento dialéctico que possa estar subjacente à evolução da história mundial da humanidade, sinto necessidade de pensar à escala da minha modesta acção, ou seja, no papel que me possa caber nessa transformação, possivelmente dialéctica, da história. Digamos que, se é que me posso exprimir assim, só há duas posturas possíveis perante o mundo: por fora, ou por dentro.
O "murro na mesa" que bem lembras, por vezes, é inevitável e necessário. A questão reside no facto de, quanto a mim, o "murro" ter que se dar por dentro do sistema, e não fora dele. Optando pela última possibilidade, não se sai do niilismo.
A diferença, parece-me, reside num "esmurrar" construtivo/destrutivo.

Gostei imenso da tua esplêndida análise (construtiva), e muito mais seria de dizer...

Não dizendo tudo, como é óbvio, concordo por inteiro contigo quanto à necessidade de conhecer bem o passado: para compreender melhor as necessidades do presente; para evitar alguns erros. De facto, é fundamental manter viva a memória histórica. Disso depende, certamente, um possível melhor futuro.
Também me atrai o descontentamento poético, sobretudo pelo seu lado inconformista.

A minha postura de razoabilidade tem um fundo filosófico, corresponde a uma certa forma de estar na vida. Certamente discutível, e, muitas vezes, admito, pode não ser eficaz. Na globalidade da vida, a verdade é que não consegui encontrar melhor do que isso. Pontualmente, pode não servir. E gerir esta tendência é o mais difícil. Porque, acredita, tranquilidade e razoabilidade não são sinónimos de conformismo, para mim. Infelizmente (ou não), sou uma mente inquieta.

Acreditar não significa necessariamente, a meu ver, uma crença no sentido religioso do termo (o que teria "pano para mangas" discutir). Não se trata de uma perspectiva cristã, no seu sentido mais restrito, embora tenha tido uma educação com essa orientação. Mas já fiz a digestão de tudo isso( essa seria uma outra conversa). Acreditar é, para mim, não algo místico, mas sim uma questão de atitude, de interrogação: "como é que eu contribuo para o estado do mundo"?
Traduz uma preocupação e uma necessidade de sentido para a acção.

Muito bem assinalas a questão da perda de ideais, a inversão da nossa posição no mundo, o qual pede de nós, agora, e sobretudo, uma intervenção muito mais pessoal, alicerçada nas relações de proximidade e de vizinhança.

Bom... se isto não nos salvar do Alzheimer, o que nos salvará?! Mas se contribuir para isso, já valeu bem a pena, certo? Nunca poderei esquecer o quanto me impressionou o caso da Iris Murdoch. Uma mente tão brilhante que terminou desse modo. O filme sobre a vida dela mostra esses factos de um modo muito realista. Arrepiante.

Temos que combater! :)


CNS: concordo contigo quando lembras que para mudarmos alguma coisa, é de começar pelo universo que temos mais "à mão". Acreditar revela-se, antes de mais, precisamente aí. :)

Druiel: a tira da Mafaldinha! Adorei! Muito bem lembrada. :)

Mié: sugeres tantas coisas interessantes e exequíveis! :)

Temos que continuar a acreditar, e permitir que isso nos leve a trazer coisas melhores para este mundo. A mudança de atitudes e de comportamentos é o mais difícil de tudo, talvez... Mas é nessa base, ou raíz, que está o cerne da questão.

Gostei imenso de ler acerca das tuas ideias (não, claro que não! não te alongaste nada demais! foi um prazer ler-te. é excelente ter-te por aqui.)
Eu é que agradeço a tua participação, a tua partilha de ideias, de pensares, de sentires...
:)

Daniel: o "Candide" de Voltaire é uma excelente leitura. Muito pertinente recordá-la. Obrigada. :)
Fiquei mesmo com vontade de reler, quer o Voltaire, quer o Leibniz. Não são leituras fáceis, mas são muito interessantes e enriquecedoras. Recomendo-as (mesmo aos que não estão ligados à filosofia, profissional ou academicamente falando)!

Blogue Malandro disse...

Acredito que se pode mudar o mundo!
Não nos devemos deixar amedrontar pelas mentiras que nos dizem, pela hipocrisia que existe, por aquilo a que nos querem reduzir; a pessoas descrentes, resignadas à sua condição de meros observadores passivos, sem qualquer papel significativo na transformação do mundo. São as pessoas comuns que se sentem enganadas e humilhadas que são possuidoras da capacidade de mudar o mundo, não aqueles que são lacaios do poder estabelecido em que para eles nada de errado existe no mundo, em que nada é mais importante do que a defesas dos seus interesses pessoais e das suas micro-vidas. Por isso, uma palavra amiga, um gesto carinhoso, um bom post fazem diferença! Não deveremos pensar nunca, que a possibilidade de mudar alguma coisa é resultado da inocência juvenil, e que madurez traz consigo inevitavelmente a resignação! Entendo, que a vida exige muito mais de nós do que aquilo que podemos dar, no entanto Ana Paula, este post já fez alguma diferença; serviu de "catharsis" para todos nós que comentamos no teu blogue e penso que isso conta, e muito!

Beijinhos!

observatory disse...

aí eu diria que perdi a inocencia.

ficaram lá para tras muitos dos meus delirios

ha que o ir fazendo

se eu mudar alguma coisa muda.

a proposito... observatory é a minha catharsis

manhã disse...

ainda optimista! Bravo! só espero que esse mundo todo não te desiluda, muito menos os que governam e têm o poder de decisão, espero que se esmerem e fazem jus à confiança neles depositada.bjo

isabel mendes ferreira disse...

que seja um Tornado bom e se torne


num mundo melhor...



__________________.


Beijo.

rigi disse...

Sim um tornado poderá destruir
TUDo
e depois da tempestade

devastadora

vem a bonaça mas

talvez seja já tarde

o mar vem
e nem todos sabem nadar

Mar Arável disse...

uM DIA TAMBÉM ESCREVI

HOJE NÃO ME APETECE SALVAR O MUNDO

SÓ AJUDAR

E NUNCA MAIS DESISTI

Luís Galego disse...

Porque é possível mudar. Talvez sofra de alguma ingenuidade mas quero acreditar que todos os dias podemos mudar alguma coisa....senão, o que nos resta?

Bjs