sábado, 8 de agosto de 2009

Biblioteca Joanina

Não sei se tudo o que é importante fica registado e guardado nos livros. Certo é que eu adoro bibliotecas. De um modo geral, gosto de todas, desde que na sua atmosfera se possa respirar algum amor pelos livros e pela leitura. Mas, há algumas que têm história e constituem autênticas relíquias. É o caso da Biblioteca Joanina, situada na Universidade de Coimbra.



Por lá estive, ao longo do meu pequeno passeio por terras de Portugal. Confesso que adorei. Difícil é descrever um maravilhoso contraste como este que experimentei: no exterior, há um edifício pesado, cuja porta esperamos e desejamos se abra, enquanto se respira o ar doce do verão, agitado nas folhas brilhantes das árvores; no interior, há a atmosfera de recolhimento da biblioteca, a par da sua ornamentação em talha dourada, com todos os seus belíssimos e riquíssimos detalhes. Cá fora, o límpido céu azul que nos oferece uma espécie de infinito; lá dentro, as lombadas antigas dos livros assinalam a dimensão de leituras inalcançáveis, por mais que sejamos incansáveis: e é um outro infinito que nos escapa... Fora, há uma luz clara e brilhante que tudo vivifica; dentro, o jogo misterioso de sombras, de luz e de cores. E a pesada porta - ora se abre, ora se fecha, fazendo a ligação entre dois mundos do mesmo mundo...



A minha impaciência era grande, enquanto aguardava pela visita. Mas, quando decidi fingir bater à porta (e que porta!), como que por magia, ela abriu-se! Finalmente!
A Biblioteca Joanina merece toda a atenção. Ela é, de facto, um lugar maravilhoso. Na informação disponibilizada durante a visita, pode ler-se o seguinte (detalhes interessantes para amantes de livros!):

«A Casa da Livraria, nome por que era conhecida a Biblioteca Joanina, recebeu os primeiros livros depois de 1750, sendo a construção do edifício datável entre os anos de 1717 e 1728. O edifício tem três andares e alberga cerca de 200.000 volumes, havendo no piso nobre cerca de 40.000 volumes. Estas colecções bibliográficas podem ser consultadas, bastando para isso fazer um pedido, justificando os motivos pelos quais se quer consultar, e o exemplar é levado para a Biblioteca Geral, por um funcionário, ficando aí à disposição do investigador. Estes cuidados prendem-se com o facto de estarmos perante livros antigos - estas colecções datam dos séculos XVI, XVII e XVIII - que na sua maioria representam o que de melhor havia na Europa culta do tempo.
Todos estes exemplares bibliográficos estão em boas condições porque o edifício é uma perfeita caixa-forte, proporcionando um ambiente perfeitamente estável, ao longo de todo o ano, seja Verão ou Inverno. Com efeito, a construção do edifício foi pensada para ser uma "casa de livros»", tendo a protegê-los paredes exteriores com 2 metros e 11 centímetros de espessura. A porta deste "cofre" é feita em madeira de teca, o que permite ter uma temperatura constante de 18º a 20º. Para ajudar a manter este ambiente estável, também os níveis de humidade relativa se mantêm nos 60%, factor que é mantido pelo facto de todo o interior da biblioteca estar revestido a madeira. Como é do conhecimento geral, os livros, além de terem como factor de degradação as diferenças de humidade e temperatura, têm também um outro "inimigo": os papirófagos (insectos que se alimentam de papel). Neste edifício não há qualquer problema com os insectos uma vez que as próprias estantes são feitas de madeira de carvalho, que, para além de ser extraordinariamente densa (dificultando a penetração destes bichinhos), exala também um odor que os repele. Os livros contam ainda com mais um aliado neste combate diário pela conservação; com efeito, no interior deste templo de livros, habita uma colónia de morcegos, que, durante a noite, se vai entretendo a comer os insectos que por aqui aparecem, mantendo, portanto, todos estes volumes livres do seu ataque. Naturalmente que a presença destes mamíferos requer um cuidado adicional para prevenir qualquer dano causado pelos dejectos nas madeiras preciosas das magníficas mesas: todos os dias, ao fechar da biblioteca, o funcionário cobre os "bufets" (mesas) com umas toalhas de couro, e de manhã limpa a biblioteca.»
(fonte: Universidade de Coimbra)

Não é possível tirar fotografias no interior da biblioteca. Interdito este que, naturalmente, respeitei. No final da visita (não guiada), conversei um pouco com o simpático senhor que estava à entrada. Então, ele argumentou que, além das fotos danificarem, a longo prazo, nunca fazem justiça ao lugar, pois não conseguem reproduzir o verdadeiro interior deste espaço. Para lá da imensa devoção que demonstrou ao falar da biblioteca, tenho que concordar com ele: é preciso ir lá; as fotos não captam a atmosfera intemporal e os efeitos de luz que ali se encontram. Mas não resisto a como que guardar aqui um exemplo aproximado do que vi.


(clicar na foto para aumentar)

Nota menos positiva: o preço do bilhete é elevado e, na bilheteira, ao meu lado, alguém escrevia no livro de reclamações, porque não tinha um folheto em português. Enfim, eu contentei-me com um em francês, e com uma fotocópia da informação na minha língua materna.





Mais informação sobre a Biblioteca Joanina AQUI

Visita virtual AQUI

Imagens: fotos de Ana Paula e Marta - também daqui

16 comentários:

vbm disse...

É muito bela, essa biblioteca.

Lembras-me a minha própria visita,
a espera, o contraste entre a praça
e o interior do 'templo' dos livros,
a imponência das estantes,
os volumes dos livros,
imensos...

Notável, o juízo do bibliotecário
de as fotografias nunca poderem
fazer justiça à experiência
dos sentidos de uma visita
ao vivo no topikós real.

Eliete disse...

Ana Paula, parabéns pela postagem belíssima.Adorei conhecer esta bilbioteca. Boa viagem por esse país irmão.Eliete

RAA disse...

Oh Ana Paula -- e que bem vai o Concerto do Seixas!...

Violeta disse...

e agora fiquei cheia de curiosidade e vontade de te seguir...
bjs

Rita Roquette de Vasconcellos disse...

U A U U U U U U

bjs

Rose disse...

Q lugares! A que vais!

daniel disse...

antiga, igualmente é bela a "Sala dos Capelos", já a visitou? Se não tem de marcar uma visita =), estão lá expostos os retratos dos reis da nossa primeira dinastia, belíssimo! =)
gostei de recordar esse espaço...
aguardo sempre novidades!


p.s.: obrigado pelo comentário que deixou no meu blog!

Ana Paula disse...

Muito obrigada a todos :) É excelente partilhar convosco.

Daniel: de facto, a Sala dos Capelos é lindíssima também. Visitei tudo, sim - a Sala dos Capelos, a Capela de S. Miguel, a Sala das Armas, Sala Amarela e Sala Azul, e ainda a interessantíssima Sala do Exame Privado. Tudo a visitar, sem dúvida :)

Eu é que agradeço a atenção, a todos!

ângela marques disse...

pena que quando lá fui não estava lá ninguém a bater assim à porta:)

é fantástica, sim! uma igreja de livros.


beijo

observatory disse...

sim srª

sim srª

sim srª.


e subiu até nós?

observatory disse...

desculpe o abuso mas...

http://www.spq.pt/docs/Biografias/Domingos%20Vandelli%20port.pdf

um pouquinho mais e ia ter a casa deste homenzinho importante que trouxe uma data de coisas novas para portugal:))))))

aproveito para lhe falar de "historia universal da destruiçao dos livros" (fernando báez).

ARTISTA MALDITO disse...

Olá, Ana Paula

Quando voltar ao Porto, prometa-me que vai visitar o Jardim Botânico, tenho tanto gosto em acompanhá-la.

:)))Esta publicação faz-me recordar, voltar 33 anos atrás, quando vivi em Coimbra.

Passei por estes lugares, era tão novinha...

Ana Paula disse...

Ângela: "uma igreja de livros" - adorei a expressão! Que bem se aplica a este lugar :)

Beijinhos para ti.

observatory: subi, sim, mas sempre a correr, sem tempo para ver tudo como deve ser. Tenho que voltar! O Porto é uma cidade diferente, muito gira :)
Andei numa espécie de volta ao centro, e algum norte, de Portugal. De bicicleta tinha sido mais divertido, mas foi de automóvel e a pé.

Ora essa! Não é abuso nenhum. Agradeço imensamente as referências que me deixou ficar. Desde já, ainda não li tudo, mas reparei: são leituras excelentes :)

Isabel: claro que irei, e claro que será um grande prazer ter a sua companhia :) Não conheço o Jardim Botânico do Porto :( Mas fiquei muito curiosa e interessada. Estou certa de que as minhas filhas partilham da mesma curiosidade.

Temos coisas excelentes no nosso país, nem sempre lhes damos o devido valor, ou as tratamos com o carinho que merecem.

Um beijinho grande.

Dead Porcelain Doll disse...

Magnífica de facto, provavelmente já por lá passei, mas não a conhecia assim tão a fundo. A impaciência não costuma ser boa conselheira... há formas e formas de bater à porta... há certas portas que têm detectores de máscaras!! :D E não se abrem assim elas teimem em não cair... e essa intermitência do fechar e abrir continuará, ao ritmo das máscaras caindo... :)

Talvez não devesses ter fingido bater... mas batido realmente... é bom fazer algo de positivo no sentido de se conseguir aquilo que se quer... será que querias realmente que a porta fosse aberta? Será que estavas preparada para o que lá irias encontrar? ...

Eu também adoro bibliotecas... e acho que não devia ser preciso pagar nada para lá entrar... apenas ser-se uma pessoa de boa vontade... ;)

Beijoss!!

partilha de silêncios disse...

Adorei conhecer esta magnífica biblioteca, obrigada.
bjs

J.A.Aldeia disse...

Fotografar sem flash (e isso é que é a essência da fotografia) não danifica os livros. As fotografias podem seguramente traduzir o espírito de um lugar; aliás, é isso que as fotografias fazem: traduzem o espírito de um lugar, de um tempo, de uma época das nossas vidas. O que as fotos não podem reproduzir é a realidade (que tem, no mínimo, três dimensões), mas o espírito sim.

Pensemos nas escassas fotos sobreviventes do nosso passado mais distante: é certo que foi preciso esperar muitos anos para detectar o espírito desses tempos com as desprezadas ferramentas da emoção, mas a limitação era nossa, não da foto: se ela hoje traduz o espírito doutro tempo, é porque ele já estava na foto, nós é que não estávamos preparados para o apreender.