terça-feira, 9 de setembro de 2008

Eterno Retorno - 2

Impossível pensar em eterno retorno sem aludir a Nietzsche e à sua crítica radical.
O que deve repetir-se sempre? O bom? O mau? Parece óbvio ser o bom. Mas qual o sentido desta terminologia? A radicalidade traz sempre consigo dúvidas, inquietações e interrogações. A filosofia de Nietzsche é verdadeiramente inquietante. Aceitem-se ou não os seus princípios filosóficos, é incontornável.

Alguém, um filósofo polémico mas inovador, esclarece de forma interessante e eloquente:




Aqui fica a sugestão: repetida...



9 comentários:

Violeta disse...

O eterno dilema do bom e do mau... o que é bom, o que é mau, para mim, para o outro, para o todo...
è tudo tão relativo.
Gostei do vídeo.
feliz dia... com os bons ;)

em azul disse...

Parece-me que é nessa outra história, nesse outro momento, que está o cerne da polémica de Nietzsche.
As eternas rivalidades... mas gostei de ouvir...


Beijo
em azul

Druiel disse...

Sinceramente creio que pensamos apenas no bom sem considerar que não haveria bom sem o mau. E para que os momentos bons existam há que ter os maus e há acima de tudo que passar pelo mau para saber o que é bom.

Tudo na vida tem o lado inverso, o positivo e o negativo, de resto não haveria evolução.

Excelente blog, adorei.
Bjinhos

Vieira Calado disse...

Também penso assim: Nietzsche é incontonável.

observatory disse...

pois... nietzsche

em 70 e tal todos me achavam estranho por gostar dele. eu misturava mao com nietzsche
nietzsche com marx...uma borga

e eu a pensar que me tinha inventado e que nao era pessoa :)

tambem lhe gosto do poemas

gosto muito do w. benjamin.

acho que nunca vou perdoar aos que o atiraram para aquela morte estranha.

. disse...

Na linha correcta.

tolilo disse...

entre o branco e o preto

prefiro o branco


o díficil é nunca o sujar ...

(http://www.youtube.com/watch?v=nD9hFhFFn4w)

daniel disse...

Se não existisse mal, tão pouco saberíamos o que é o bem. Faz lembrar o Yin e o Yang, na filosofia chinesa, o dia e a noite, um não pode viver sem o outro, e juntos formam a terra e fazem um todo.

Bom post. Adorei! =)

Frioleiras disse...

o Daniel tem razã0 mas escolhendo...

hoje passou-me pelas mãos um livro lindíssimo sobre o Adan y Eva... com belíssimas ilustrações e textos sobra a a origem do mal...

Gostei muito das ilustrações da bíblia de Mountier-Grandval... belissima e com essa dicotomia sempre presente...

mas a net..........nada tem a ver com os originais e nós cá a vamos usando de um modo imediatista quando verdadeiras relíquias por aí existem... é questão de procurar nos lugares certos. e antes do nietsche o problema punha-se dum modo quicá, mais puro, menos acre...