domingo, 4 de novembro de 2012

do Inferno de Strindberg

disse Deus:

Faça-se o movimento, pois o descanso corrompeu-nos! Além disso, quero arriscar-me a uma manifestação, enfrentando embora o contratempo grave de me dispersar e perder na massa bruta!
Vede além, entre Marte e Vénus, como permanecem devolutos alguns miriâmetros do meu domínio.Quero criar ali um novo mundo que sairá do Nada e um dia regressará ao Nada.
As criaturas que nele viverem hão-de julgar-se deuses como nós, e prazer experimentaremos a observar-lhes os combates e as vaidades. Que o seu nome seja mundo da loucura! Qual o teu parecer, irmão Lúcifer que partilhas comigo todos os reinos ao sul da Via Láctea? 

respondeu Lúcifer:

Senhor, irmão, o teu desejo malévolo implica sofrimentos e desgraças. Abomino tal ideia!

August Strindberg, Inferno 

[como saber quem é Deus e quem é Lúcifer?!]

2 comentários:

Daniel Sousa disse...

Lembrou-me o Fausto do Goethe, quando Mefistófeles fala com Deus: "O pequeno deus do mundo é ainda da mesma têmpera e tão esquisito como no primeiro dia. Viveria, a meu ver, mais convenientemente, se não fora ter-lhes ferido o cérebro com um raio da tua luz celeste. Chamou ele a isso razão, e só a usa para se governar mais estupidamente que o estúpido animal."

O Senhor: Nada mais tens a dizer-nos? Pois só me apareces para te lamuriares? Então nada há de bom, a teu ver, à superfície da terra?

Mefistófeles: Nada, Senhor: é tudo inteiramente mau, como sempre, os homens, nos seus dias de miséria, metem-me dó, a pontos de sentir escrúpulos de atormentar a sua pobre espécie.

Ana Paula Sena disse...

Uma boa lembrança, Daniel!

Um abraço :))