quinta-feira, 5 de julho de 2012

modelo-standard

A actual física de partículas assenta no chamado modelo-standard, uma gloriosa trapalhada. A matéria é feita de doze partículas fundamentais, há outras quatro portadoras das forças e que medeiam as interacções entre as coisas e ainda nos é oferecida uma partícula auxiliar de brinde. Ainda assim, deixa de fora a gravidade. Ao electrão e ao neutrino juntaram-se mais duas famílias de partículas semelhantes mas de maior massa, o muão e o tauão, além dos neutrinos correspondentes, denominados colectivamente leptões. O protão e o neutrão deixaram de ser fundamentais; é sabido que são constituídos por dois tipos de quarks (o up e o down). Como se isto não fosse suficiente, foram descobertos mais quatro quarks (o charme, o strange, o top e o bottom). A força fraca de Fermi é transportada pelos bosões W e Z, enquanto a luz e as interacções electromagnéticas são transmitidas pelos fotões. A força forte de Ettore e Heisenberg é mediada pelos gluões. Precisamos do bosão de Higgs para dar massa às partículas, nos casos em que isso se aplica.
Um jardim zoológico de partículas, a servir de peças básicas do universo! Só de pensar que os Gregos se contentavam com a terra, a água, o fogo e o ar... Anderson pode ter recebido o Prémio Nobel por ter descoberto o positrão, mas hoje existe a opinião generalizada de que quem quer que descubra uma partícula fundamental nova devia pagar uma multa de 10 mil dólares. O pior ainda é que, se considerarmos todos os "parâmetros livres" que têm de assumir certos valores para o modelo concordar com os dados, entre massas, forças de interacção, ângulos de mixing e por aí fora, ficamos com quase trinta números independentes. Todos metidos à pata dentro da teoria, como input, sem qualquer justificação. 
Patético.
Até hoje, as tentativas de melhorar a situação ultracomplicada da física de partículas têm-se centrado na unificação das forças, procurando uma única força-partícula que unifique as muitas forças-partículas independentes.  (...) 
João Magueijo, O Grande Inquisidor

Sem comentários: