quinta-feira, 12 de julho de 2012

filosofia pequenina

a existência do outro na consciência de si talvez justifique o inquietante desejo de viver para o compreender: ao outro e ao si que existe com essa presença irredutível da alteridade.

1 comentário:

vbm disse...

Bem visto. O contrário, um autismo virado ao entendimento das coisas como tais.

Mas os viventes não serão também inteligíveis segundo regularidades de comportamento, quer adaptativo quer preventivo do estado e modo de existir das coisas inanimadas a par da acção observável dos viventes actuantes?

Na verdade, estamos imersos na existência e só pela imaginação nos colocamos em pontos de vista fora do mundo... :)