segunda-feira, 10 de janeiro de 2011


Um dia quebrarei todas as pontes/ Que ligam o meu ser, vivo e total/ À agitação do mundo irreal/ E calma subirei até às fontes./ Irei até às fontes onde mora/ A plenitude, o límpido esplendor/ Que me foi prometido em cada hora/ E na face incompleta do amor. Irei beber a luz e o amanhecer/ Irei beber a voz dessa promessa/ Que às vezes como um voo me atravessa/ E nela cumprirei todo o meu ser.

Sophia de Mello Breyner Andresen


5 comentários:

Mar Arável disse...

Pelo sonho é que vamos

Bj

Ana Paula Sena disse...

...sim, é por ele que vamos... :)

C. disse...

Encantamento, Ana Paula, nesta altura, só mesmo na poesia. Em versos assim, que ainda crêem em alguma coisa.
Começo a ficar céptica, que é o pior, para quem sempre acreditou.


Beijinho

partilha de silêncios disse...

Lindo este poema de Sophia.
beijinhos

Eliete disse...

Como seria maravilhoso se conseguíssemos quebrar todas as pontes e chegar à nossa plenitude.
lindo!bjs