segunda-feira, 22 de março de 2010

Tempo paralelo

Uma das vantagens da idade é poder assumir o não se ter paciência para certas coisas. Hoje, tentei ver alguma coisa na televisão. O objectivo era descansar um pouco. Na verdade, fiquei perturbada. Gostava mesmo de saber quais os critérios usados na selecção de programas... porque tudo isto chega a parecer irreal. Talvez exista por lá um grande equívoco entre o significado de distracção e o de atrofia mental.
Bom mesmo, para descansar, é um momento absolutamente irrelevante, quando nos sentamos numa poltrona gira e confortável (não, a minha não é assim, mas fica esta como poltrona virtual, por agora), e ouvimos qualquer coisa fora do contexto.






Imagem: pesquisa do Google

18 comentários:

observatory disse...

admira-me o seu espanto.
o criterio?
nao ha.
é a demencial
sociedade do especulo... :))))

Paulo disse...

Há, aparentemente, uma intenção de criar uma irrealidade e fazer-nos acreditar que isso é o real (tente ver um programa de grande "popularidade", com um sujeito gorducho animadíssimo, antes do telejornal da RTP1). Desta estratégia resulta a anestesia indispensável a todos os abusos.
A solução é mesmo essa, sair dos contextos que nos impõem.
Parabéns pelo post. Excelente :):)

Mar Arável disse...

Como disse o poeta

por vezes é preciso

inventar o amor

Bj

partilha de silêncios disse...

Pois é, fora de contexto anda a vida alheia de si própria...

Já sou suficientememte "velha", para me aborrecer com a atrofia mental da nossa televisão, tenho um sistema interno, que sempre que eu tiver a peregrina ideia de me sentar no sofá para ver TV,desliga e eu adormeço, é um espanto, mas o sistema não falha, sabe-se lá porquê ?!!!

Um beijinho

mdsol disse...

Muito bem, Ana Paula!



:))

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Mas sem dúvida nenhuma... a troca de um programa televisivo com critérios duvidosos de entretenimento por um lugar num sofá... prazeiroso e relaxante :)

José Rui Fernandes disse...

Ana Paula, acho que até alguns dos mais novos já vão tomando consciência disso! Cabe-nos também a tarefa de ir despertando as suas mentes...
Quem parece não se ter apercebido do horror da programação, são as televisões. Medem tudo em termos de percentagem de audiências, mas a percentagem é daqueles que ainda vêm, pois na verdade a televisão tem decaído a todos os níveis, em qualidade e no número de horas que é vista.

Abraço

joana padrel disse...

Também prefiro a tua cadeira e a tua música. Perfeita ligaçâo,o conceito a imagem e o som.Belo post.

Abraço

vbm disse...

Abstraindo da deplorável programção de lazer da televisão, e também da discutível selecção de noticiário - para já nem falar do sistemático tempo de antena às discussões acerca do futebol, assim como do drama da coxinha, e o do desgraçado que sofre disto ou daquilo! -, há uma limitação inescapável da televisão: sobre o que quer se debruce, apresenta isso simplesmente!

Ora, o interessante no saber é, para lá do dado, discuti-lo criticamente. Para tanto, impõe-se a discussão aberta e livre, de ideias, teorias, modos de vida. Como, quando a televisão tenta esboçar aproximar-se desse procedimento está logo limitada quer pelo tempo disponível para o debate quer pela mediocridade intelectual do entrevistador ou moderador, tudo se torna insatisfatório, inadequado e mesmo falso! A verdade é que a televisão elimina o pensamento e a beleza do mundo que lhe é alheio.

Manuela Freitas disse...

Querida Ana Paula,
Tem toda a razão...nem sei bem a quem se dirigem os programas de televisão, mas assusta-me que seja para um sector maioritário do nosso país...se for assim está tudo muito mal!...
Com essa excelente poltrona, não seria melhor relaxar a ouvir música?
Beijinhos,
Manuela

T.Mike (Miguel Gomes Coelho) disse...

Estamos a falar de programas de televisão, não é?
Ora muito bem, bonita poltrona...
Um abraço, Ana Paula

poematar disse...

Por vezes, tento o mesmo, distrair-me um pouco... Não há hipótese, e isso mesmo "atrofia mental". Além disso, não consigo ficar parado, sem agir, a menos que o que aconteça à minha frente seja muito belo, o que é quase impossíveld e acontecer na TV, meio que considero um cancro. De facto, a poltrona é éngraçadíssima. Vale a vista, ficar sentado nela será divertido. Tudo de bom.

daniel disse...

Foi um prazer retomar a leitura aqui no "Catharsis", após breve ausência.

A programação televisiva tem sido catastrófica... vá-se lá saber o que ponderam certos senhores, apenas por copiarem programação estrangeira julgam que o sucesso é imediato? =(

Há sempre uma solução...

p.S.:"Felizmente Há Luar"

CNS disse...

É mesmo isso: atrofia mental

bjs

via disse...

os canais de cinema valem a pena, os portugueses é para esquecer, novelas etc.o melhor é ouvir uma música e dormir.

Violeta disse...

Querida Ana Paula,
Vou ausentar-me do tomilho por um tempo. Preciso de me concentrar no trabalho, na investigação, em mim... para completar o que falta na imagem do templante do meu blogue.
Virei aqui sempre que puder.
que passes uns momentos relaxantes e que seja muito feliz. Mesmo sem te conhecer fico com a sensação de que és uma pessoa muito especial.
Um bj

Há.dias.assim disse...

Até apetece deitar no sofá...

anamar disse...

Dar o salto... é preciso.
Dementes , já os há por aí muitos...
Passo dias que não abro a televisão a não ser ás 22h para as notícias...por isso ando sempre desfazada das trombas d água, quedas de neve e assaltos... por momentos penso ainda viver num país com alguma côr...
Belo post, AnaPaula.
.))