quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Séc. XXI - Educação e Tecnologia

Pensar a inter-relação entre educação e tecnologia é preciso.
Voltar atrás no tempo, do ponto de vista do desenvolvimento tecnológico, é impossível. Que futuro deveremos preparar? Como gerir em nosso benefício os meios de comunicação e de informação actualmente disponíveis, assim como aqueles que estão prestes a chegar?





Digital Ethnography é o blogue de Michael Wesch (com mais informação sobre o vídeo e seus propósitos)


7 comentários:

daniel disse...

É de imaginar um futuro em que as máquinas tudo controlem!
Cada vez mais nos tornamos dependentes das tecnologias, como viver sem elas?

Adorei o vídeo, bastante interessante! =)

vbm disse...

A tecnologia coloca à educação
o mesmo problema que o ambiente
ao ser vivo: aptidão de selecionar
o acertado e o útil à vida.

Quer os sentidos, quer o saber
simplificam a realidade para
dela usufruir a utilidade
e obviar a incoveniência.

Uns e outros podem errar
pois nem sempre o devir
repete o passado.


De qualquer modo,
sem a instrução
só resta a

universidade da vida;

mas, como dizia um colega
da minha juventude: - «É,
sem dúvida, um bom curso,
mas leva muitos anos
a "tirar"!»
:)

Manuela Freitas disse...

Ola Ana Paula,
Obrigada por postar certos assuntos, que me motivam a reflectir.
Bjs,
Manuela

via disse...

ai as tecnologias da educação. quantas vezes estamos na aula só a tentar que a máquina funcione. como se estivessemos dependentes dela.e, de facto não estamos.bjo

Lusibero disse...

ANA PAULA: hoje, é impossível viver sem a tecnologia. Sou tentada a dizer como GARRETT: "A Ciência deste século é uma GRANDESSISSIMA TOLA!"(SÉCULO XIX).E como ele ,já nessa altura reconheceu, o Progresso não existe sem a Ciência, caminhando, os dois, a par...
O problema, no nosso país tem que ver com as políticas de Ensino, para as quais é preciso investimento, que vai faltando, porque vão faltando "MECENAS" e o Estado não investe...
BEIJO DE LUSIBERO

poemar-te disse...

Olá, Ana Paula! Bem escolhido este vídeo; bastante pertinente a interrogação que propões. As respostas,por mim, só podem ser fugidias, escorregadia. A inevitabilidade do desenvolvimento (desenfreado) da tecnologia, tal como se processa, reflecte o estar universal do indivíduo, a relação das "elites" com as "massas", dos interesses financeiros que tudo exploram em proveito de lucros que para mim, são cada vez mais absurdos e estranhos. Repare-se no "em linha" - tão perto, tão longe, mas sendo, pelo menos um estar. Será que a escola, na actualidade, alguma vez consegue ser um "estar"? ... No noso país, é depósito, cada vez mais, e não vejo volta a dar por muitas alterações que sejam feitas. A ordem sócio-familiar (seja de que tipo for) é cada vez mais instável, porque, hoje, o ser humano não respeita, de modo algum a natureza, e ela existe. O abandono e a solidão são quase um lugar comum. Há volta a dar? Segundo o meu irmão, e diz-lo bem, a resposta será dada pela natureza. Não passamos de uns atarantados ou arrogantes à procura de qualquer coisa ou criando protagonismos inúteis, até para o próprio, ilusões ... Há excepções, claro... Desculpa estas notas caóticas e alongadas. Tudo de bom.

Ana Paula Sena disse...

Agradeço a vossa atenção e contributo para esta pequena reflexão :)

Penso que a tecnologia faz parte das nossas vidas, e que pode ser um factor importante para a nossa qualidade de vida. No entanto, a questão premente, face ao futuro, cedo se revelará: seremos nós a utilizar as novas tecnologias, ou serão elas a utilizar-nos a nós?
Este problema é já notório, por exemplo, no domínio educativo.

Abraços!