quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Yeshayahu Leibowitz





Yeshayahu Leibowitz : Um grande intelectual, um filósofo e um cientista, designado por Isaiah Berlin como "a consciência de Israel". Pelas suas opiniões e convicções, foi persona non grata para muitos dentro do seu próprio país. Condenou a intervenção militar e foi contra a política de Israel nos territórios ocupados. Parece ser hora de recordá-lo. Não só por isso, mas também por todo o seu pensamento em geral.

Afinal... uma mulher não pode ser rabi. Não é tão evidente assim (muito menos o foi no passado) que as mulheres sejam pessoas. Ainda menos evidente é que elas possam e devam tomar parte na vida religiosa, política e cultural do seu país.

A verdade é que valeria bem a pena ler melhor este pensador. Traduções portuguesas, desconheço. Brasileiras? Talvez. A qualidade dos filmes disponíveis, assim como a escassez de tradução nos mesmos... lamentável. Merecia um grande documentário e o ultrapassar da barreira que constitui o hebreu.


7 comentários:

ângela marques disse...

Não posso calar uma provocaçãozinha minha: Portugal e pensadores são uma espécie de "antónimos"...
Mesmo sem conhecer, quase aposto que no Brasil há traduções.

mié disse...

Não conhecia.

E realmente pouco, muito pouco há escrito sobre ele.

Pelo pouco que li, tinha uma mente aberta e justa.

Um beijo

Obrigada

RAA disse...

É impressionante quando ele se comove.
Bom domingo :|

Donnola disse...

tenho a impressão q são poucas as religiões (çlássicas :P) em q a mulher é igual ao homem

há certas coisas q a mulher escusava de querer ser igual ao homem, é só a minha opinião :D

Maria de Fátima disse...

vai lá dar uma forcinha
http://intervalos.blogspot.com/2009/01/convite.html

audrey disse...

gostaria, gostaria mt de o poder ler......... não ocnhecia..

ailhadosamores disse...

"Não posso calar uma provocaçãozinha minha: Portugal e pensadores são uma espécie de "antónimos"..."

Cara Ângela

E o que são José Marinho, Leonardo Coimbra, Guerra Junqueiro, Pessoa, António Quadros, António Vieira, Teixeira de Pascoaes, Sampaio Bruno, Paulo Borges e tantos outros. Ah e já agora, Espinoza, tão português, que até era em português que ele escrevia.

E, já agora, José Marinho será um dos maiores filósofos do mundo. Se gosta tanto de pensadores, por de certo que já leu a obra completa dele. (O que aliás poderá ser trabalho para uma vida).

Quanto às traduções... mais vale não traduzido do que mal traduzido... nós, ao menos, quando traduzimos, traduzimos bem. Até aqui, pelo menos.

Como vê, minha cara, falta de pensadores, não há - pelo contrário...

:))