sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Gaza

É impossível não me confrontar com o inferno que este lugar do mundo parece ser. Do que o mundo precisa é de paz. Mas é a guerra que o assola. Não sei (?) se o progresso tem que ser "escrito por linhas tão tortas". Mas estou certa de que escapar ao retrocesso implica obedecer a um imperativo: encontrar (urgentemente!) um caminho mais justo e humano.




A questão é por demais problemática e polémica. Difícil de resolver. Exige reflexão, mas também tomada de posição.
Estaremos todos de acordo quanto ao essencial da situação actual?! Os inocentes são inocentes e têm que ser salvaguardados das atrocidades que resultam de longos e complexos desentendimentos!
As imagens que nos obrigam à consciencialização, ainda que nem sempre totalmente reveladoras da dimensão da tragédia (deveriam sê-lo?, deveremos procurar o confronto com elas? : o que coloca a questão do pudor acerca das imagens, a da sua violência inerente e específica, à qual estamos sujeitos), são uma conquista da nossa civilização. Conseguimos obtê-las facilmente nesta nossa era, temos os meios técnicos e tecnológicos para as criar e divulgar. Mas... e os meios para impedir a guerra?! E os meios para proteger os inocentes nela envolvidos?!
Alguma vez esta questão será verdadeiramente resolvida?! Como é difícil o diálogo e a cooperação entre os povos!

Estas são algumas opiniões e conclusões que me pareceram interessantes (e suficientemente ponderadas) acerca deste conflito recorrente, e da muito dramática situação vivida no território da faixa de Gaza. Só lamento que o cansaço da guerra não tenha sido ainda suficiente, para evitar o actual estado das coisas...







Imagem: pesquisa do Google

4 comentários:

Violeta disse...

E o estado actual das coisas tem tantas vítima sinocentes, d emabos os lados. E tem a hipocrisia e os interesses na gueraa e tem tanta coisa injusta...
E os velhos e as crinaças...
às vezes penso que o planeta só fica bem, quando a espécie humana desaparecer...

mié disse...

O que nos choca a todos, penso eu, são as mortes de vítimas inocentes e que são encaradas como danos colaterais, portante necessários.

A questão é problemática e polémica, concordo contigo, as posições dos políticos valem o que valem, a UE é o que é, se havia união de interesses que unia a Europa eram os que agora faliram. Ficou o vazio e a falta de crédito.
Poderia ser um meio para, mas não é.

Gostei dos vídeos. Gente desligada dos interesses politica, e que conhecem bem a problemática do médio oriente.


As tuas interrogações são as minhas também.

Um beijo

Terpsichore lusitana combatente disse...

AS ultimas guerras do médio oriente não são de forma nenhuma por petróleo - mas sim pelo lucro de vendas, e por poder.

É preciso um esquema especial para ter a Europa sob comando, e poder mandar em tudo.

Trata-se de reduzir o poder da Europa - continental.

Trata-se de conseguir uma guerra e estado de perigo entre Europa e Islão.

Beijinho

mié disse...

Xiiiiii!!!!

erros de teclado...:)


1ª parágrafo- 3ª linha - portanto

3ª parágrafo- 1ª linha - políticos

:)

beijo amigo

Bom fim de semana