segunda-feira, 11 de março de 2013

d'O Ingénuo

Sam Francis, Heart Stone (1963)

Em dois dias a doença tornou-se mortal. O cérebro, que se julga ser a sede do entendimento, foi tão violentamente atacado como o coração, o qual é, dizem, a sede das paixões.
Que mecânica incompreensível submeteu os órgãos ao sentimento e ao pensamento? Como é que uma simples ideia dolorosa é capaz de perturbar a circulação do sangue? E como é que o sangue, por sua vez, conduz todas estas perturbações ao entendimento humano? Que fluido desconhecido é esse, cuja existência é certa, que mais rápido, mais activo do que a luz voa em menos tempo do que um pestanejar de olhos por todos os canais da vida, produz as sensações, a memória, a tristeza ou a alegria, a razão ou a vertigem, lembra com horror o que se quer esquecer e tanto faz de um animal pensante um objecto de admiração como um motivo de piedade e de lágrimas?
Eis o que pensava o excelente Gordon; e esta reflexão tão natural, raramente feita pelos homens, nada furtava à sua compaixão; pois nada tinha de um desses filósofos que fazem tudo para ser insensíveis. 
Voltaire, O Ingénuo

Sem comentários: