quinta-feira, 22 de novembro de 2012

fruticultura

subo
na corrente dos dias
e depois das coisas amargas
ponho de lado contente
um pequeno cacho de uvas
das que prometem mel

um dia
a fruta secreta será consumida
e na curva abrupta dos dias
eu e ela devoradas
mais cedo ou mais tarde
rodopio na vertigem
do hélio incandescente
tudo tem a mesma forma
circulante mergulhante
rumo a ti

a fruta e eu somos tempo

quanto a ti: não sei


AP

Sem comentários: