sexta-feira, 13 de abril de 2012

Mahler

Acho sempre muito estranho que a maioria das pessoas, quando fala de "natureza", só pense em flores, passarinhos e aromas dos bosques. Ninguém conhece o deus Dionísio, o grande Pã. Pois bem! Aí têm uma espécie de programa: ou seja, um exemplo de como faço música. Sempre e em toda a parte é só a voz da natureza! 
Mahler (a propósito da sua Terceira Sinfonia) in Mahler - Vida e Obra, Stephen Johnson





7 comentários:

Daniel Sousa disse...

Adoro o Mahler, a nona sinfonia é um épico, a oitava porém, tem aquele encanto, é um sublevar de vozes, se escutar a segunda parte, onde Mahler musicou o segundo Fausto de Goeth, quando Fausto tenta fugir do Inferno, aquilo sim, é um hino à humanidade. Um grande compositor. É um prazer revisitar este blog. Abraços.

Ana Paula Sena disse...

Olá, Daniel :)

Também gosto muito de Mahler, e quanto mais o oiço, mais o aprecio...

Fico feliz com a tua visita! Um abraço.

vbm disse...

Já somos três!:))

É notável como ouvi-lo mais
aumenta o gosto que dá ouvi-lo.

Aprecio a 2ª, da ressureição e também,
essa da natureza, majestosa; mas
gosto de todas!

Falta-me, na parte coral,
acompanhar a música com o texto
e o seu significado.

Rita Roquette de Vasconcellos disse...

ah! a quinta
sou capaz de estar horas ....

Ana Paula Sena disse...

Eu também gosto de todas as sinfonias de Mahler, Vasco. E gosto muito da Canção da Terra. Enfim, acho que gosto de tudo. Mas ainda tenho muito para ouvir, e repetidamente!

Um abraço :)

Ana Paula Sena disse...

é mesmo, Rita, a 5ª ouve-se por dias e dias. quando a ouvimos inteiramente, torna-se nossa.

beijinhos :))

vbm disse...

Ouvi hoje esta excelente narrativa da sinfonia de Mahler. Magnífico!
Obrigado.