terça-feira, 24 de maio de 2011

Matemática cantante

Ai o ponteiro da tortura

Ai o ponteiro da tortura
naquela sala
que a matemática tornava mais escura
em vez de iluminá-la.

Felizmente só o nada-de-mim ficava lá dentro.

O resto corria no pátio-em-que-nos-sonhamos,
Pássaro a aprender os cálculos do vento
Aos saltos do chão para os ramos.

Mas só quando voltava para casa à tardinha
encontrava a minha verdadeira matemática à espera
na lógica dura das teclas do piano,
no perfil-oiro-pedra da vizinha,
na flauta de água macia do tanque
- chuva de Mozart nos zincos da Primavera...

Matemática cantante.

José Gomes Ferreira, Poesia V

[re-descoberto no livro de Língua Portuguesa da minha filha (9º ano)/ o sublinhado é meu]



3 comentários:

Ana Paula Sena disse...

Um poema altamente filosófico.

Manuela Freitas disse...

Estou de acordo Ana Paula, eu também aprecio mais a matemática cantante! Gostei do complemento de Mozart muito a propósito!...
Beijinhos e obrigada sempre pela sua partilha de coisas inesperadas!
Manuela

Mar Arável disse...

O nosso

Zé Gomes