segunda-feira, 1 de junho de 2009

Tentativa 4 - Castanho


Há um toque de choque
nestes actos serenos

a luz impele a manhã
vem para segredar

posso agora ouvir:
há uma criança acordada
e uma mão levantada para a sustentar

posso agora ver:
há um céu estragado
e um olhar sereno para o consertar


roc... roc... (des) aparafusa (-me)
este céu não tem juízo
pétala do eu a morrer
desmancha a flor que pintei


mas navegar é preciso
e não se pergunte porquê


ponto de encontro: o mar alto
estou numa terra selvagem -
- colibri desnorteado
pretende coabitar
com um corvo acastanhado


Eis que há um toque de sorte
porque vivo e adormeço
num castanho paralelo.


Imagem: Young Lolotte, Modigliani


15 comentários:

Eliete disse...

Ana Paula adorei sua poesia.
Transborda de sensibilidade.Parabéns e continue sempre nos oferecendo esses ramalhetes de emoções.Um abraço bem carinhoso, Eliete

A.S. disse...

Ana Paula,

Gostei de "ver-te" no meu espaço!
Gostei ainda mais da expressão poética das tuas letras!
Excelente!...


Uma criança brinca com a luz.
Amanhecem segredos
que fugiram de um céu estragado...
Delicia nua da inicência aberta!
Dilatam-se as ondas
silenciosas
e no pomar de espuma
sopra o vento das asas.
Nada é inacessivel dentro de um poema!



Bj´o

ARTISTA MALDITO disse...

Olá Ana Paula

Tornou o castanho, uma cor mal-amada, numa consagração da vida. Pintura e poema de mãos dadas, em sintonia com a poética do castanho.

E espero que a semana seja um prolongamento desta feliz combinação.

Para mim o calor não está a ajudar.

Beijinhos
Isabel

RAA disse...

A cada cor gosto mais.

Frioleiras disse...

um toque de choque
e
um toque de classe..............

nestas


poesia versus modigliani........................

via disse...

e no castanho retomam
as frases de um ideal
que outras cores se formam
já atentas ao sinal

às cores então e à poesia! bjo

Violeta disse...

Ana PAula
Adorei a imagem, o poema, como smepre a sensibilidade e bom gosto reinam por aqui.
tb me sinto um colibri desnorteado a pretender coabitar
com um corvo acastanhado...
bjs

ze disse...

O que eu Queria mesmo era comentar a música lá de cimo do cima!

ARTISTA MALDITO disse...

Bom Dia Ana Paula

Nesta manhã tão amena venho desejar-lhe um dia muito feliz e deixar-lhe um beijinho:)

Isabel

lobices disse...

...gosto de todo este espaço...

daniel disse...

tenho andado desaparecido, mas nem por isso deixei de visitar este magnífico espaço =)

Gostei de rever a sua poesia neste blog... E de facto:

"Eis que há um toque de sorte
porque vivo e adormeço
num castanho paralelo."

Porcelain Doll disse...

Tenta muitas vezes por favor! :D

Cheia de ritmo, leve, fluída, sonora!...

Adorei a imagem do colibri e do corvo... ;)

Beijinhos!

Mar Arável disse...

Texto sentido

Avisar é preciso

Bjs

Contracena disse...

... e a cor castanha de uma das (nossas) "mulheres" de Modigliani, inspirou-te muito bem!

Beijo.
Fátima

partilha de silêncios disse...

Esta minha ausência ... quase perdia essa sua sensibilidade
" colorida".

Gostei muito do poema e da imagem que o acompanha.

bjs